Anas Estrelas


Silêncio

As linhas nas minhas mãos

são pergaminhos

que não sei ler.

Um dia foram tomando meu corpo todo e me tornando subitamente um grande silêncio misterioso.

 

São cortes alongados

sulcos

riscos que me sufocam e limiam buracos que se extendem até a ponta dos pés.

 

Sou traços

(pedaços)

de uma grande história silenciosa.

 

(Meus próprios soluços transbordam sem que eu mesma os ouça)

 

Solitários no meio deste nada que sou,

meus olhos são duas pedras opacas

que navegam neste mundo tão inundado por pares de pedras opacas.

 

Sou um sumidouro de ilusões

(um depósito de grandes solidões e paixões atormentadas)

Um poço

cheio de lodo

folhas molhadas

e insetos mortos.

Eu sou um buraco, ou qualquer outra coisa igualmente silenciosa.

 

Estes caminhos nas minhas mãos são escuros e solitários.

São caminhos que percorro descalça, com meu corpo tão miseravelmente cheio de nada.




Escrito por Carol Estrela às 23h40
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  15/02/2009 a 21/02/2009
  10/08/2008 a 16/08/2008
  23/09/2007 a 29/09/2007
  15/07/2007 a 21/07/2007
  01/07/2007 a 07/07/2007
  06/05/2007 a 12/05/2007
  24/12/2006 a 30/12/2006
  10/12/2006 a 16/12/2006
  19/11/2006 a 25/11/2006
  05/11/2006 a 11/11/2006
  15/10/2006 a 21/10/2006
  20/08/2006 a 26/08/2006
  30/07/2006 a 05/08/2006
  25/06/2006 a 01/07/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005


Categorias
  Todas as Categiorias
  diário
Outros sites
  Por uma vida menos ordinária
  Tarja Preta
Votação
  Dê uma nota para meu blog